Especulando com titulos públicos - parte 2

Então a pessoa compra títulos públicos de forma especulativa, isto é, compra com a crença de que ele vai aumentar de valor de forma mais rápida do que ele aumentaria normalmente.
Ao ler a parte 1, você viu que existe a pergunta de 1 milhão que é: o que faz o governo aumentar ou diminuir as taxas dos títulos? Por que ele simplesmente não as deixa quietas?

Bom, primeiro você tem que pensar no motivo de o governo vender títulos públicos. É para arrecadar dinheiro a fim de aumentar a receita. É claro que, teoricamente, esses gastos terão retornos ao governo maiores do que os valores que ele irá pagar a seus investidores. Pelo menos deveria ser assim.

Quando o governo precisa de arrecadar por meio dos títulos públicos, uma coisa atrativa a se fazer é aumentar as taxas de juros. Pensa comigo: você prefere comprar um CDB pré-fixado com rendimento de 10% ano ou um Tesouro pré-fixado a 10% ao ano. A princípio, não há tanta diferença assim. Você vai acabar optando pelo CDB, pois você sabe que existe a taxa de custódia para se manter um título público, sem contar com a liquidez do CDB que costuma ser maior do que a dos títulos públicos. Então, nesse caso, seria conveniente o governo colocar uma taxa um pouco maior.
Quando você começa analisar os CDB pré-fixados dos bancos, você verá que os títulos do tipo Tesouro pré-fixado costumam ter uma taxa melhor, em relação àqueles. Não se engane pensando que o risco é maior com o governo, pois sua taxa é maior, porque não é. Os bancos é que estão "desajustados" com essas taxas que eles oferecem. Lembre-se: eles vão pegar esse dinheiro e conseguir rendimentos bem maiores do que o rendimento que eles estão oferecendo. Só a título de curiosidade, basicamente falando, essa diferença é chamada de spread bancário. Só a título de mais curiosidade ainda: o spread bancário não é exatamente isso, mas simplificando, podemos pensar desse modo, pois não vem ao caso agora o que é exatamente o spread bancário.

Lembre-se: taxas altas hoje significam dívidas altas no futuro para o governo, então ele aumenta só quando é realmente necessário.
Quando há uma expectativa de melhora na economia, o governo tende a abaixar as taxas. Motivo: a necessidade de arrecadar dinheiro por meio dos títulos públicos não é tão grande se comparado à situação quando a expectativa da economia é ruim.

Exemplo recente foram os anos de 2015 e 2016. Em 2015, tivemos uma inflação alta em comparação com os anos anteriores. As taxas do IPCA+ estavam altas e, como consequência, o preço dos títulos estavam baixos. Assim que acabou 2015 e começou o ano de 2016, as expectativas das inflação começavam a melhorar. O IPCA em janeiro de 2016 estava começando a mostrar sinais de queda em relação à dezembro de 2015, logo em seguida, as taxas começaram a cair, com valorizações sucessivas dos títulos Pré-fixados e IPCA+. A título de curiosidade, o IPCA+ 2035 teve, em 2016, rendimento bruto superior a 47%.
Alguns acontecimentos podem jogar o preço dos Pré-fixados e IPCA+ para baixo. Exemplo recente disso foi quando o FOMC anunciou, no final de 2016, que aumentaria as taxas de juros de curto prazo nos EUA. As taxas dos Pré-fixados e IPCA+ deram uma subida, mas continuaram na sua queda logo em seguida. Em agosto de 2015, após várias notícias ruins, as expectativas da economia foram jogadas para baixo, junto dos preços dos títulos.
Aprender a fazer análises a respeito dos títulos é primordial, caso o leitor queira ter ganhos acima do esperado. Saber relacionar expectativas de queda/alta da Selic com as taxas do IPCA+ e Pré-fixado ajuda a ter ganhos também. E como aprender isso tudo? Pesquisando na internet, lendo, "juntando os pontos". Ao fazer isso, as análises começam a ser naturais, assim como os rendimentos acima do padrão.

Uma sugestão inicial é visitar o site do Tesouro Direto, na parte de balanços e estatísticas, e baixar as planilhas com os valores dos títulos. Com isso, você pode criar gráficos e verificar quando houve altas e baixas de preço dos títulos. Para você entender o motivo das variações, sempre procure saber o que estava acontecendo no Brasil e no mundo, em termos de política e economia. Repare que existe um padrão.

Espero que, pelo menos, tenha despertado a curiosidade e que não pare por aqui. Qualquer discussão a respeito, sinta-se a vontade para usar os comentários.
Obrigado pela leitura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os CDB's do Banco do Brasil

O banco Intermedium, seu LCI e CDB.

LCI do banco Intermedium - atualizado para dezembro 2016