Especulando com títulos públicos - Parte 1

Você já deve ter visto ou lido que os títulos públicos podem sofrer grandes variações de preço de um dia para o outro. E quando digo que eles variam, pode ser que eles percam valor - não é só ganho. Uma preocupação que ninguém precisa ter é se o título for mantido até o vencimento. Neste caso, ele terá o rendimento acordado na data da compra. Fiz um breve resumo aqui: http://guiamonetario.blogspot.com/2016/12/flutuacoes-nos-precos-dos-titulos-do.html.

Esse fato abre oportunidades de ganho - e de perda também - acima do contratado. Inicialmente gostaria de destacar três pontos a serem analisados antes de falar efetivamente a respeito das variações de títulos públicos.

1) Este ganho é de curto prazo. Isso significa que você pode passar 2 ou 3 meses com rendimentos altos, mas ter que esperar 1 ou 2 anos para voltar a ter esses rendimentos novamente. Não é uma regra, mas pode acontecer. Uma coisa a se pensar é: será que não vale a pena manter o título com uma taxa alta até o vencimento? Há sempre o risco de você não conseguir reinvestir em títulos com taxas altas, caso você os venda antecipadamente.

2) Pode haver perda. Sempre tenha isso em mente. Talvez você compre o título hoje, e passe meses com rendimentos negativos sendo acumulados. Mas não se preocupe, pois, na pior das hipóteses, você pode esperar até o vencimento para conseguir o rendimento positivo.

3) Títulos indexados à Selic (chamados de Tesouro Selic, antigamente conhecido como LFT) não têm essa característica em que seus preços sofrem altas variações de um dia para o outro. Este título nunca perde valor, e seu rendimento segue a taxa Selic over. Caso queira ver o valor da taxa Selic over em um intervalo de tempo, você pode acessar este link do Banco Central: http://www.bcb.gov.br/htms/selic/selicdiarios.asp.

Esteja ciente desses três pontos, e tenha uma coisa em mente: títulos que podem ser negociados, não só públicos como privados, são como produtos, eles têm valor que podem, por algum motivo, diminuir ou aumentar com o passar dos dias.
Os títulos pré-fixados e os indexados à inflação (IPCA+ e IGPM) podem ter rendimentos - e normalmente têm - fora do esperado. Isso significa que um Pré-fixado, com taxa de 11% ao ano, pode render 20% no ano, e, no ano seguinte, ter um rendimento de 2% ao ano. E o que dita isso? O que faz com que o rendimento suba ou caia?

A primeira coisa a saber é: a taxa de juros de venda do Pré-fixado naquele momento em comparação com a taxa de juros do Pré-fixado que você comprou. Quanto mais a taxa de venda cai - a atual em relação à que você comprou -, mais o título valoriza, e vice-versa.
Isso acontece pelo seguinte motivo: quando você compra um Pré-fixado, o seu valor final será R$ 1.000,00 - tenha em mente que este preço não vale para o Tesouro IPCA+ e Tesouro IGPM, isto é, estou falando somente do Tesouro Pré-fixado.

Então, se você paga R$ 700,00 por um Pré-fixado, faltando 3 anos para a data de vencimento, este título terá um rendimento bruto aproximado de 12,63% ao ano. Se o governo mantivesse essa taxa de 12,63% ao ano, então depois de 1 ano, o Pré-fixado valeria R$ 788,37. O detalhe é que a situação não é tão simples assim. O governo pode alterar o valor da taxa de juros, não a dos títulos que você possui, mas a taxa dos títulos que estão disponíveis naquele momento. Se você comprou um título com 12,63% ao ano, será isso que você receberá se mantiver o título até o vencimento.
Agora suponha que o governo passe a taxa desse título para 12% ao ano. Se ele valer R$ 700,00, então após 3 anos de rendimento, ele terá o valor de R$ 983,45. Mas isso não condiz com a regra, colocada pelo governo, de que o Pré-fixado vale R$ 1.000,00 na data de vencimento. Então, para que a regra seja cumprida, e mantendo a taxa de 12% ao ano, ele tem que aumentar o valor do título para R$ 711,79, ao invés de R$ 700,00. Se você fizer as contas, verá que, com esse valor, o título chegará aos aproximados R$ 1.000,00.
Então, a primeira coisa a se saber é: se a taxa de juros cai, seu título vai render mais. O contrário também é verdadeiro: se a taxa de juros sobe, pelo raciocínio inverso, o título vai perder valor. Mas uma coisa que eu gosto de frisar: se você mantiver o título até a data de vencimento, você não terá que se preocupar com isso tudo, pois receberá o rendimento exato que você contratou na compra do título.
Parece óbvio que o leitor se pergunte neste momento: "mas o que faz o governo aumentar ou diminuir essa taxa? Por que ele simplesmente não deixa a taxa quieta?". Essa é realmente a pergunta de 1 milhão para quem especula com títulos públicos. Para o texto não ficar muito grande, eu vou responder nessa próxima postagem: http://guiamonetario.blogspot.com/2017/02/especulando-com-titulos-publicos-parte-2.html.

Sugestões de leitura:

Características gerais dos títulos públicos: http://guiamonetario.blogspot.com/2016/11/um-apanhado-geral-respeito-dos-titulos.html.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os CDB's do Banco do Brasil

O banco Intermedium, seu LCI e CDB.

LCI do banco Intermedium - atualizado para dezembro 2016